O que é Sustentabilidade Doméstica? Como implantar na minha casa?

Por Priscila Randow

Artigo_O que é Sustentabilidade Doméstica; Como implantar na minha casa

Tenho certeza que você já ouviu falar na palavra SUSTENTABILIDADE, não estou certa? E SUSTENTABILIDADE DOMÉSTICA, já ouviu?

Eu uso o termo Sustentabilidade Doméstica já faz um tempo, posso até considerar que fui uma das pioneiras nesse assunto. Quando comecei a falar disso em 2015, praticamente era inexistente nas pesquisas do Google esse termo “sustentabilidade doméstica”.

Claro que isso é só uma terminologia. Os preceitos que defendo da sustentabilidade doméstica já são usados há muito tempo, pelos nossos avós e antepassados. Meu objetivo não é retroceder no avanço da sociedade, mas resgatar a cultura de um tempo onde não existia tanto plástico e produtos químicos.

Mas antes de aprofundar na sustentabilidade doméstica, vamos falar primeiro “O que é Sustentabilidade?”.

A sustentabilidade tão divulgada como é hoje se originou do termo “Ecodesenvolvimento” já discutida desde a década de 70. Porém, o ecodesenvolvimento era um termo que remetia muito à ecologia e era necessário um termo mais abrangente e que incluísse outras dimensões.

Assim surgiu em 1987 no relatório “Nosso Futuro Comum” da ONU pela primeira vez o termo SUSTENTABILIDADE.

E tinha como definição:

“Aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações de satisfazer as suas próprias necessidades”.

Ou seja, precisamos pensar nas nossas ações no presente para que as pessoas no futuro possam ter as mesmas oportunidades que nós tivemos.

Mesmo hoje em 2019 muitas pessoas acham que sustentabilidade só está ligada à natureza. Isso é um engano grave! A sustentabilidade possui várias dimensões e deve estar presente na economia, nas relações sociais, na cultura, na política e na natureza.

A sustentabilidade possui muitas dimensões. Muitos autores colocam de forma mais abrangente em 5 dimensões:

Outros autores trabalham com o tripé da sustentabilidade:

O que as dimensões da sustentabilidade querem nos mostrar é que tudo em nossa vida está relacionado. Não adianta preservar a natureza e ter atitudes agressivas e preconceituosas com as pessoas. Não adianta preservar a natureza e dar aquele “jeitinho” para se dar bem às custas dos outros.

Temos que pensar que tudo está encadeado e uma ação gera uma reação. É a lei da física, não tem jeito!

Eu sei que é difícil tomar atitudes corretas a todo tempo na nossa vida corrida. Mas se já temos a consciência e o conhecimento do que possamos fazer, pelo menos temos alternativas.

E isso tem a ver com a nossa casa e com o que chamo de Sustentabilidade Doméstica.

A sustentabilidade doméstica foi mais uma dimensão da sustentabilidade que criei para que possamos integrar todas as outras dimensões na nossa rotina.

Se conseguirmos manter um lar em consonância com as dimensões da sustentabilidade, ficará mais fácil extrapolar esse propósito da porta para fora.

E isso ouvia muitos dos meus alunos na época que dava aula de Gestão Ambiental Empresarial.

“Professora, como posso ter uma Empresa Sustentável se não consigo ser Sustentável na minha própria casa?”

E foi aí que percebi que seria difícil formar futuros empresários preocupados com a dimensão ambiental. Toda a formação deles era focada na dimensão social (funcionários) e econômica (lucros).

E por isso resolvi dar um passo atrás. Precisava formar primeiro as pessoas dentro de suas casas, para que depois elas transformassem suas realidades fora.

Com o desafio da sustentabilidade doméstica em mãos, fui me aprofundar na gestão doméstica e descobrir quais a ações do dia a dia que impactam nosso meio.

E como Personal Organizer tive esse aprofundamento na prática, ou seja, in loco. Isso foi transformador para minha reflexão e para meus estudos posteriores.

E trabalhando com o tripé da Sustentabilidade: Ambiental – Social – Econômico fiz os meus princípios da sustentabilidade doméstica.

EM RELAÇÃO À LIMPEZA

– Com uma rotina de tarefas domésticas estabelecida utilizamos menos produtos tóxicos porque não deixamos a sujeira acumular;
– Com o uso de menos produtos tóxicos na limpeza deixamos nosso esgoto menos tóxico, o que gera menos poluição e menos gastos públicos nas estações de tratamento;
– Com o uso de produtos mais naturais diminui-se o risco de alergias e inalação de gases tóxicos.
– Com a confecção dos seus próprios produtos de limpeza, você gera economia financeira;
– Com o conhecimento de algumas técnicas de limpeza você evita que as roupas estraguem, gerando desperdício e dá mais vida útil ao seu eletrodoméstico.

EM RELAÇÃO À ORGANIZAÇÃO

– Com a organização você consegue visualizar melhor os itens e com isso aumenta o uso;
– Com a organização você diminui o stress e evita o consumismo na forma da clássica frase “Não tenho nada o que vestir”;
– Com a organização você aumenta a autoestima porque consegue se arrumar melhor;
– Com a organização você evita o desperdício com compras repetidas e compras desnecessárias de itens e alimentos;
– Com a organização você economiza dinheiro porque utiliza mais o que tem e diminui a ansiedade gerada pela bagunça;
– Com a organização você consegue otimizar mais o seu tempo e ser produtivo.

EM RELAÇÃO À SEGURANÇA ALIMENTAR

– Com o cuidado na higienização dos alimentos evita que eles estraguem mais rápido e causem doenças;
– Com o conhecimento de algumas técnicas na preparação dos alimentos evita-se o desperdício;
– Com o conhecimento dos utensílios domésticos evita-se a compra de produtos tóxicos, como os potes plásticos com BPA (Bisfenol A);
– Com o conhecimento dos alimentos de origem animal e vegetal podemos refletir sobre seus impactos e a forma de cultivo.

EM RELAÇÃO AO TRABALHO DOMÉSTICO

– Com o conhecimento das leis do trabalho doméstico evitamos trabalhos exploratórios;
– Com a capacitação do trabalhador doméstico garantimos melhores resultados e evitamos transtornos;
– Com a capacitação do trabalhador doméstico promovemos maior cidadania para aqueles que em sua maior parte não tem formação nenhuma para a atividade que exercem;
– Com a capacitação do trabalhador doméstico podemos promover a economia doméstica e a conscientização ambiental.

Viu quanta coisa? Essa é a minha visão de Sustentabilidade Doméstica.

Sobre o Autor

Priscila Randow

PRISCILA RANDOW
Bióloga, Personal Organizer e Palestrante