A Mente

Por Kobert Belo

Artigo_A Mente

A mente humana é extraordinária. Funciona de uma forma esplendorosa e complexa. É algo abstrato, mas procede de algo verdadeiramente concreto. O cérebro. O cérebro é um órgão do corpo humano, tão sublime, que ainda não pôde ser totalmente decifrado. Dele procede: os sonhos, as visões, o pensamento, a imaginação. Estes quatro substantivos formam o que chamamos de “IDEIAS”. Que por sua vez, procedem da mente. As ideias não são palpáveis; visíveis. Ao contrário, elas são parte de um conceito imaginário que se torna sólido a partir dos nossos atos e ações. Partindo deste princípio, compreendemos que somos feitos de duas matérias diferentes: uma física e outra espiritual.

É por intermédio de nossa mente que somos capazes de diferenciamo-nos dos demais seres vivos, tomarmos decisões e compreendermos os mistérios da natureza que nos cerca. Quando cuidamos de nossa mente, é lícito que tenhamos boas ideias, bons planos e grande desenvolvimento em tudo que fazemos; pois conservamos assim, a boa qualidade do nosso cérebro.

O cérebro é dividido em oito partes distintas, as quais são: Cérebro, Cerebelo, Bulbo olfativo, Corpo caloso, Septo lúcido, Hipófise, Comissura cinzenta e Bulbo ou medula alongada (parte concreta). A mente por sua vez, segundo a “Teoria das Inteligências Múltiplas”, do psicólogo Howard Gardner, é multiplicada em oito processadores mentais diferentes dentro do cérebro. Cada um deles é responsável por uma habilidade, as quais são: Lógico-Matemática; Linguística; Musical; Espacial; Físico-Cinestésica; Interpessoal; Intrapessoal e Naturalista (parte abstrata). (Howard Gardner – Psicólogo; Super Interessante, edição 256- Set/2008; pág. 60)

Sendo esta constante uma realidade, temos assim um órgão sólido procedente de um organismo vivo; que produz apenas coisas abstratas, que por sua vez são geradoras de coisas concretas. Exemplo: a Hipófise, a glândula de secreção interna de funções múltiplas, situada na base do cérebro sobre a base túrcica, produz a chamada “dopamina” o hormônio responsável pela geração de nossas emoções e sentimentos. Por este motivo é necessário que compreendamos o quanto é importante preservarmos a saúde de nosso corpo. Seja ele físico ou espiritual.

A natureza do ser humano é de adoração (espírito) e conquista (corpo/alma); somos todos seres que desejamos tanto dominar, quanto servir. Por esta razão a nossa vida vive em constante conflito. Vivemos querendo coisas que nunca buscamos de verdade: falamos de paz, mas praticamos a guerra; falamos de amor, mas praticamos o desamor. Neste clima, quem acaba se prejudicando com tudo isto é a nossa mente. Pois nos entregamos de maneira displicente aos vícios que nos furtam a “LIBERDADE DE SER”. Rebaixando-nos ao mero nível da servidão do “TER”. Enquanto a mente trabalha para que sejamos, nossas atitudes nos direcionam por caminhos contrários, tornando-nos assim, ambíguos para conosco mesmos. Quando falamos em dominar; falamos em “TER”, possuir. Mas quando falamos em “SER”, falamos em “SERVIR”. Se nossa mente assim indica, por que agimos diferente? Que tenhamos mais cuidados com nossos atos; por nosso cérebro (raciocínio). Para não prejudicarmos assim, as “IDEIAS” de nossa mente.

Sobre o Autor

Kobert Belo

KOBERT BELO
Analista Comportamental, Coach/Practitioner em PNL, Especialista em Planejamento e Palestrante